brasilseguranca.com.br

 »Apresentação

 »Segurança Publica

 »A Arte do Choque

 »Segurança Sem Fronteiras

 »Segurança empresarial

 »Valorização Policial
 »Evite um crime
 »Comportamento
 »Segurança Pessoal
 »Transito
 »Segurança eleitoral
 »Cristo e Tiradentes/sentenças
 »Sua opinião
 »Forum
 »Contato & Equipe
 
 

Receba nosso News

InscreveSai da lista

 

Contato: fator@brasilseguranca.com.br  

 
Via Expressa, um fator antiviolência.



“Construção de Vias Expressas como fator de redução da criminalidade em áreas de risco. Estradas de Suporte da Segurança e um fator antiviolência”. Via Expressa. O nome e o conceito já estão em todas as principais cidades e a população já conhece os seus benefícios no tráfego. No elenco de medidas que possam contribuir para aliviar a violência pesada em grandes áreas físicas definidas e limitadas pelos acidentes geográficos e pela dependência ao crime, onde todos asseveram fidelidade à delinqüência, cujos espaços ocupados estão estigmatizados em razão da criminalidade dominante e que é protegida pela cumplicidade, a exemplo de algumas certas favelas e outros aglomerados urbanos, agora, insere-se um item que não se relaciona diretamente com o poder de polícia, e sim, com o tráfego terrestre, mas que através dos tempos também tem se revelado muito eficiente para a qualidade da segurança, por permitir melhor fluidez das composições policiais, agilizando atendimentos urgentes, bloqueio de fugitivos e de outros delinqüentes, além de rondas preventivas de rotina. A iniciativa é uma medida estratégica de largo alcance que terá o respaldo da população. Trata-se de um processo de urbanização das áreas faveladas, especialmente, pela construção de grandes avenidas equipadas com estrutura de segurança pública, conduzindo e alinhando políticas sociais, esforço policial e técnicas de engenharia rodoviária que confrontem à violência, dividindo segmentos delinqüentes para enfraquecer a suposta força da violência criminosa, até porque, ao longo dos tempos, medidas severas têm se mostrado ineficientes para represar o crime pesado organizado.
A diferença de uma via expressa já existente e outra construída como suporte da segurança é que na primeira, a sua finalidade precípua é a dinâmica do tráfego, por conseqüência, arrastando crescimento para a região como vocação natural da evolução do movimento através dos tempos, enquanto que no novo paradigma proposto, via expressa como fator antiviolência, além de preservar as mesmas configurações de interesse viário de uma via similar e albergar todas as funções inerentes a qualquer artéria viária de construção moderna, nesta nova concepção, seu leito caminha predominantemente na direção das grandes favelas, afastando-se da teia viária do perímetro urbano, cruzando áreas impenetráveis, locais dominadas pelo império da criminalidade organizada, integrando essas áreas críticas à cidade como um todo e enfraquecendo aquelas forças antagônicas pela divisão demográfica que o leito da avenida impõe, especialmente, a via ainda servirá de caminho para se levar oportunidades sociais pré-planejadas, escoando desenvolvimento, treinando profissionais e reciclando conhecimentos, resgatando a cidadania como investimento de futuro para o engrandecimento da população mais sofrida. Como via expressa, ela também estimula o trânsito pela sua maior capacidade de fluidez favorecida pela concepção de modernos equipamentos de segurança viária, conquistando o tráfego doméstico e de uma população flutuante, principalmente, em razão da via receber estrutura adequada também à circulação e a ocupação por aparatos policiais de ações eficientes, como suporte no processo da busca de informação e contenção de atos criminosos em toda região. Doravante, nenhum projeto de construção de qualquer estrada ou via urbana coletora e de distribuição de tráfego não pode prescindir de uma estrutura de apoio às atividades de segurança pública, como característica de construção rodoviária.
Pelo advento dessa nova estrada de suporte penetrando em territórios quase independentes, com suas regras próprias invioláveis, portanto, muito inacessíveis pela coesão do crime que se protege, e à medida que se edificam as primeiras etapas sob a proteção policial, aos poucos surge a possibilidade de desmistificar o adversário ocultado pelo aglomerado habitacional denso e desordenado, doravante, separando e enfraquecendo o corporativismo delinqüente em ascendência e que é preservado pelo anonimato de seus membros e protegidos pela lei do silêncio, logo, fragmentando a unidade do crime e dos criminosos, desequilibrando-os, tudo como resposta de uma ação com arquitetura policial planejada como defesa urbana, integrada à segurança pública.
O novo modelo de Via expressa caminhará por esses territórios de valores deprimidos pela ação do crime, estabelecendo suprimentos técnicos permanentes de apoio às ações e operações policiais de inteligência, vigilância convencional e eletrônica, controle e repressão voltados para a segurança pública da região pelo combate eficiente ao crime organizado, ao mesmo tempo levando e edificando estabelecimentos privados e equipamentos públicos sociais básicos previamente programados para a aceleração do desenvolvimento humano e regional, crescimento urbano, opções de lazer e saneamento básico. Isto faz contrapor a concepção criminosa ainda latente, como cultura do meio e de uma área de difícil acesso, imposta que é pelo pseudopoder paralelo favorecido pela ausência do Estado, embora combatível, despertando em muitos cidadãos, o seu potencial de crescimento ainda adormecido, como conseqüência de um novo perfil político-administrativo, enquanto evidencia padrões de confiabilidade recíproca entre governo e comunidade então esquecida ou nada cultivada, e, todos unidos, tudo fazendo pela difícil, árdua e ampla luta sem trégua contra a violência instituída como uma atividade quase compensadora ou opção de vida adotada por segmentos estigmatizados, em razão de uma histórica pobreza ou miséria absoluta, em muitos casos, pela plena ausência de oportunidades.
Com um projeto viável na mão, uma estrada e vontade política com determinação de estadista, pode-se ganhar essa guerra contra o crime “organizado”, o qual também não é perfeito e nem unânime, muito menos, “organizado” o suficiente para se eternizar e reagir a tudo o tempo todo. O criminoso não é um homem inteligente, e não o é com certeza, apenas, ousado e inconseqüente, hoje, com massa delinqüente inumerável, gerando ações anônimas, disso tirando proveito. É sabido que o crime “organizado” faz presumir a existência de uma polícia desorganizada. Desorganizada, não na sua estrutura, mas nas suas políticas e nas suas ações enquanto improvisadas, isoladas, individuais, em razão de conveniências, desinformadas e com carência de planejamento, em fim, utópicas e empíricas. Agora, uma cousa é aceitável, desorganizar uma polícia pode ser a estratégia principal utilizada pelas falanges criminosas, quaisquer que sejam os matizes, para a sobrevivência do sistema delinqüente, mesmo que seja surpreendendo-a com um forte enfrentando audacioso armado como afrontosa forma de receber a polícia que chega ao território dominado, desestruturando-a, camufladas que elas estão pela ausência de um sistema viário, com acesso sinuoso vertical e inviável ao tráfego pelas péssimas peculiaridades do traçado urbano local, o qual se reserva aos interesses do crime. Tudo isto faz impor o pavor e a intimidação junto aos policiais e à sociedade, ou, por outros tentáculos insidiosos dessas falanges e de outros estamentos criminosos, todos procurando neutralizar o poder de polícia de alguns membros vulneráveis mediante recompensas passivamente aceitáveis que corroem os valores éticos e profissionais, corrompendo-os, subjugando-os aos interesses subalternos de uma sociedade criminosa na corrida pelo topo do poder econômico a qualquer custo.
Esta escola de abrir caminhos longos e largos ou bulevares para o fluxo da segurança pública como prática da urbanização planejada para o engrandecimento das cidades, notadamente em resposta à violência que gera insegurança preocupante, é de patente parisiense e remonta da segunda metade do século XIX, surgida na administração do Barão Haussmann, e a história registra que sua iniciativa serviu de modelo para o mundo em desenvolvimento de então e muito válida no presente, especialmente, para as grandes capitais brasileiras, também, influenciadas ainda no século XIX. Segue um comentário correspondente a esta matéria.


Comentário:

No geral, as estradas são construídas para atender aos vários interesses públicos; umas são projetadas para integrar as regiões, aproximando-as, outras para incrementar o turismo e o escoamento da produção, algumas para ligar estradas entre si, todas, para viabilizar o tráfego terrestre entre outras funções urbanas e econômicas. Aqui, abre-se uma via para melhorar as condições de segurança da cidade, aliás, com características bem específicas, em razão dos objetivos e da região que atravessará. A denominação a ser dada não interfere no resultado, pode ser Via Expressa, Avenida, Rodo-social, Bulevar, Estrada, Auto-Estrada, Trânsito Rápido, Rodo-anel, Rodovia, Linha, Via ou seja qual for o título; pode até utilizar o nome de alguém para homenageá-lo. Se já existir outra na cidade, melhor, até porque elas se completam, pois este novo logradouro será projetado sobre regiões de alto risco para a segurança pública, com características próprias, para o alinhamento de políticas públicas, esforço policial e técnicas rodoviárias que confrontem à violência. Ninguém pode discordar que abrir caminhos é a melhor saída para os problemas que se instalam ou que já fazem parte da rotina, e a abertura de uma estrada de referência em área de risco pode ser a porta por onde se adentram e se direcionam a segurança e a esperança, com possibilidade de desviar muitas pessoas das atividades criminosas, mesmo que impostas pelo radicalismo delinqüente. Qualquer avenida por onde trafegam veículos, também é uma via por onde se escoam oportunidades, inclusive, pode contribuir para civilizar muitos entes. Às funções abrigadas por uma rua ou avenida, como a separação das propriedades, coleta de lixo, melhoria da aeração, iluminação natural e pública, coleta e distribuição de tráfego de veículos e pedestres, canalização de infraestruturas como fiação elétrica e telefônica, gás, água e esgoto, agora, mais do que nunca, insere-se a segurança pública com mais efetividade e tecnologia.
A sugestão trata da construção de largas e longas avenidas, vias expressas ou bulevares como elementos de redução da criminalidade, abertas através de impenetráveis ocupações com história de incidência de delinqüentes crônicos e ortodoxos, especialmente, atravessando favelas com grandes adensamentos demográficos com grave incidência criminosa, ou, simplesmente, cruzando bolsões de pobreza, que, neste caso, atuará mais como medida preventiva em áreas ainda menos agressivas, sempre beneficiando-as, cujas características técnicas rodoviárias, em qualquer caso, além de atender à moderna superfunção do trânsito, também deve manter seu eixo orientado na direção da metamorfose regional, como suporte de equilíbrio das defasagens sociais acumuladas pelo tempo e pelo descaso. Concomitantemente, serão detectadas as diversas inquietações pessoais e populares, despertando as autoridades para os problemas, cuja análise e diagnóstico servem de termômetro para prescrever medidas sanativas equivalentes, legais ou sociais, contudo, sem prescindir da iniciativa do exercício policial em prática a qualquer tempo.
Especificamente, não está sendo discutido um processo global da urbanização mais instantâneo, pois, a urbanização sempre tem começo, mas não tem fim, apenas sugerindo, principalmente, traçados de grandes e largas avenidas que possam atravessar, separar, cruzar, unir e integrar estes contingentes satélites à cidade como um todo. A idéia pode ser válida não só para o Rio de Janeiro e São Paulo como centros urbanos maiores e mais complexos, mas para todo o País, pois o problema é um só em qualquer Estado. Na verdade, a construção de uma nova grande avenida seguida de outra que facilitam o tráfego e separam convivências fechadas, também decorrem vários outros benefícios para os moradores locais e para a população como um todo. Uma coisa surge dessas construções de suporte como benefício direto para a segurança pública, o eixo rodoviário reduz o anonimato delinqüente, fotografa a realidade e exorciza os fantasmas da violência, desmistificando o pseudopoder paralelo.
A propósito de vias expressas como estradas de suporte da segurança, este novo traçado poderá apresentar estruturas de apoio às operações policiais de rotina, tais como, áreas de recuo ampliadas às margens e ao centro para estacionamentos e paradas de grandes aparatos policiais, sinalização específica, pontos de observação aérea, módulos para apoio ao pessoal de serviço, faixas de tráfego lento à direita para vigilância em alguns trechos, retornos estratégicos, postos de observação visuais e eletrônicos, radares para identificação de veículos especialmente velozes ou em formação de comboios suspeitos, telefones para ligação exclusiva com setores da segurança central e local, contagem eletrônica de tráfego em áreas seletivas, monitores manuais para controle de velocidade quando da ocupação policial no trecho e outros apoios eventualmente necessários. Pode aí surgir no País, uma tecnologia viária de segurança pública, que transcende à simples segurança de trânsito e de construção de estradas.
Para saldar dívida social e modificar comportamento indomável, nestas horas não se pode argumentar falta de orçamento e nem esbarrar nas características geográficas de terreno difícil em algumas regiões por onde possa deslizará o leito a ser projetado, pois a literatura rodoviária é rica de antecedentes que não dobraram caminho para alcançar objetivos mesmo já no passado e até no nosso território, também desconhece obstáculos para o traçado de curvas horizontais e verticais, até porque nos presentes dias, diante da evolução da ciência e do aperfeiçoamento das modernas técnicas de construção de estradas nada é impossível, carecendo apenas de vontade política, até por que o motivo é nobre. A abertura dessas vias unificadoras também permitirá ao policial conhecer melhor o inimigo ou adversário da sociedade, como uma estratégia de polícia preventiva, pois, se não houver presença policial não se pode prevenir, da mesma forma que, sem informações também não se pode combater o opositor, e sem caminho não se chega a lugar nenhum, senão ao fracasso. Portanto, ainda continua válido o lema de governo ”Governar é construir estradas” atribuído ao então Presidente do Brasil Washington Luís Pereira de Sousa (1926 – 1930). Só que agora, uma via com um novo design e um conceito mais moderno, adequando funções eminentemente sociais, além daquelas específicas do tráfego. Provavelmente, investir na urbanização, pela abertura de vias terrestres de suporte, digamos, uma Rodo-social, sairá menos oneroso com retorno muito mais construtivo e animador do que os projetos virtuais para a atmosfera dos sistemas carcerários para dificultar as comunicações dos celulares com a tecnologia de hoje, que nada contribuirá para reduzir a violência e só penaliza o contribuinte, comprometendo o erário. Na verdade, em termos de delinqüência carcerária, o problema reside mais na qualidade das administrações públicas do que no imediato controle entre os paredões das cadeias.
Estas grandes vias que possam atravessar áreas consideradas deprimidas pela qualidade social de alguns dos seus moradores tornam-se também pólos geradores de tráfego de população flutuante, despertam interesses imobiliários, a área de domínio recebe novas fachadas arquitetônicas, chegam novos moradores, surgem sistemas viários adjacentes e outros cruzam a via em qualquer nível, edificam-se conjuntos habitacionais populares, a princípio, logo carreiam instalações empresariais de apoio automotivo e de lazer, surgem centros comerciais e pólos industriais, principalmente, fazendo com que os moradores respondam aos novos estímulos, conforme prescreve o projeto para cada trecho. A esperança desembarca. Imprime-se a idéia de emprego e renda. Ninguém precisará mais se envolver com receptação para usufruir bens de consumo. A via expressa é uma medida que se contrapõe à idéia de que o crime cresce também com o desenvolvimento urbano o que não é uma regra, embora ainda que disseminada no nosso país, visto que a estrutura social viabilizada pelas perspectivas desses caminhos com novas definições, afastado o clientelismo, tem como finalidade a identificação dos desafios dos mais necessitados do componente humano com poucas oportunidades, como dizem os poetas “ ...Que vai em frente Sem nem ter com quem contar...” (Garoto, Vinicius de Moraes e Chico Buarque), visando adequar aplicação de recursos públicos, ocasionando melhores benefícios para a melhoria da qualidade de vida, fomentado a auto-estima. Uma estrada com este design não é só um caminho que leva à Roma, conduz também à satisfação pessoal e coletiva. Com um mapa, uma estrada, boa vontade, persistência e determinação pode-se ganhar essa guerra, sem que ninguém possa ser derrotado, senão um golpe de mestre no crime em ascensão. É a Engenharia Rodoviária também a serviço da segurança como um todo, até porque a segurança pública é tão complexa que não pode ficar adstrita só à polícia e nem só ao Estado como um todo, ainda que não se possam dividir responsabilidades e sim incrementar participações procedentes, portanto, é uma atividade que compulsoriamente tem que ser compartilhada para que os resultados sejam animadores. A estrada de suporte é um equipamento duradouro muito mais edificante do que as volúveis “forças-tarefas” que, se historicamente não tenham fracassado, pelo menos, pouco acrescentaram, e, ultimamente, tais forças editadas como estratégia política, seus matizes só incidem ofuscando outras cores cintilantes que se tornam menos brilhantes, servindo mais para dificultar a identidade da autoridade responsável pelo problema local, inviabilizando a cobrança de responsabilidade, confundindo a todos. É preferível exigir resultados de quem detém o poder da segurança local e até procurar orientá-lo nas suas possíveis limitações, a conviver com o desencadeamento de uma intervenção branca pendular, com uma clara divisão do poder, golpeando a necessária unidade na chefia da segurança perante as corporações, a população e a justiça no futuro; se estas boas “tarefas” são realmente necessárias, é melhor proceder nos limites constitucionais, pois para isto existe previsão no texto da Carta Maior.
A abertura dessas vias é uma medida que deve ser inserida na política de urbanização constante para o universo das favelas, especialmente, pela construção simultânea de vários logradouros e outras largas e prolongadas avenidas como suporte da segurança que atravessem territórios dominados pelas células do crime organizado, cujas organizações criminosas são protegidas pela dificuldade de acesso geral e pela baixa incidência de uma sistemática circulação de segmentos da segurança pública e outras atividades da polícia, sempre escudadas pelo anonimato dos criminosos integrantes dessas facções, tudo compartilhado pela cumplicidade de segmentos suspeitos da população, caracterizada pela benevolência e simpatia de uns ou pela ditadura do medo atuando em outros, os quais permanecem na condição de intimidados, na situação de escravos a serviço da violência institucionalizada, sem direito a opção, senão, a de permanecerem calados e sitiados, pois, sozinhos não encontram saída fácil. Esta obscura realidade tem que ser descortinada e a urbanização pode ser uma grande aliada, pois além de ajudar a mostrar o erro literalmente, seus caminhos podem indicar soluções.
A separação física ocasionada por qualquer via terrestre planejada para separar territórios dominados, que pode até enfraquecer resistências antes fortalecidas pelo adensamento populacional quase impenetrável pela coesão e pela cumplicidade, também desequilibra e causa fissura no tecido criminoso, o qual possa se encontrar sob o signo da unidade delinqüente, logo comprometendo decisivamente, todo o conjunto adverso às leis. O projeto pode até ser grande, mas não é maior do que o erário que o Estado desperdiça anualmente em vão para tentar adentrar às cercanias do crime e solucionar os graves problemas resultantes do tráfico e consumo de drogas, com os condomínios carcerários, das balas perdidas causando vítimas inocentes e inviabilizando para as ocupações habituais, com o contrabando de armas e da criminalidade generalizada que se dissipa impondo o terror no seio da população sempre desprotegida. Com o projeto em pauta, maior será o movimento de todos rumo ao equilíbrio da sociedade, observado a médio e longo prazo, minimizando desgastes para as gerações futuras, evitando que essas paguem o alto preço pelo descaso social de seus antecessores.
Difundida a notícia do planejamento da construção, progressivamente poderá ser restabelecido o exercício de controle pelo poder público sobre os segmentos que serão tecnicamente fragmentados pela influência da via, fortalecendo e integrando as regiões e marcando a presença do Estado. Estas construções, também atuam preventivamente, minimizando a possibilidade de maior incidência delinqüente nas aéreas ainda não dominadas pela criminalidade. Prontamente, essas possíveis avenidas serão integradas à complexa teia viária das cidades e das Áreas Metropolitanas, com repercussão para todo o espaço inserido nas fronteiras do Estado, tornando-se, irreversivelmente, verdadeiros corredores de tráfego, escoando o progresso, ampliando as alternativas para a fluidez, enquanto faz carrear instalações com outras fisionomias arquitetônicas, edificação de atividades lícitas e produtivas, que ao longo dos tempos foram inviabilizadas pela violência, em razão da vocação de certos moradores. Até mesmo o aparelho policial, em parte responsável pelo caos instalado, hoje mostra-se recuado e temeroso, realizando apenas visitas esporádicas, caracterizadas por incursões de batalhões policiais com aparatos de guerra ofensiva, contundentes, com numerosos contingentes repressivos ao extremo, que ao invés de solucionar, sempre inaugura mais um teatro de violência, cujos resultados são contados em números de tiros, feridos e mortos, fato que merece o repúdio de todos. Com o advento de uma estrada expressa cruzando diametralmente as áreas de morro sugere que a polícia utilize menos a tática de cercar os segmentos favelados para proceder suas diligências e operações de controle, passando a utilizar mais a estratégia de infiltração em toda a plenitude da área desejada, antecipando-se às práticas criminosas por uma vigilância preventiva, minimizando as prisões e causando menos vítimas, visto que a via que atravessa permite que os policiais permaneçam ocupando espaços, também viabilizando conquistar simpatizantes pela troca de cordialidades e confiabilidade mútua, traduzindo em obtenção de informações policiais seguras e com muita credibilidade, pois as fontes selecionadas são idôneas e fazem com conhecimento e responsabilidade.
É importante consignar, que as favelas fechadas mesmo que não estejam sob o signo da delinqüência, mas que apresentam muita restrição de acesso, permitem um ambiente semelhante à guerrilha, pois é de difícil acesso e de fácil defesa. Historicamente, e isto data do tempo medieval, a existência de emaranhados becos e ruas estreitas e desalinhadas em razão das casas terem precedido às ruas sempre facilitaram a ocorrência de motins urbanos, barricadas e outras delinqüências próprias de cada época e de cada área. Aberta uma grande via expressa, em curto tempo se estabelecerá um satisfatório quadro urbanístico, a partir da formação do desenho geométrico viário pré-planejado, ofertando novo rumo às construções populares desordenadas e existentes ou que venham ser edificadas, advindo e permitindo a progressiva instalação de equipamentos públicos diversos, como a localização de quartéis, hospitais, escolas e outros apoios sociais de interesse geral, facilitando a presença do Estado por seus órgãos especializados, sobretudo, quanto à efetiva segurança na área.

Como precedentes desse princípio urbanístico, é bom que se exalte a influência de Paris do século XIX para o resto do mundo, especialmente para as principais capitais brasileiras, quando o Barão Haussmann à frente da prefeitura daquela cidade, função que exerceu no período 1853-1870, produziu transformação pela abertura de bulevares e construção de parques e outros monumentos igualmente importantes, cuja reurbanização deveria atender especialmente a salubridade, a ordem pública, a economia e o prestígio da cidade. Nas suas medidas de segurança, Georges Haussmann pretendia melhorar o deslocamento das tropas militares e forças policiais para uma melhor defesa da cidade. Segue uma exemplificação nacional, mas que poderíamos citar inúmeras outras, pois todas as capitais brasileiras foram influenciadas por Haussmann: Inspirado nas realizações de Haussmann, então Prefeito de Paris, como logo aconteceu nas nossas grandes capitais, à época, o grande Intendente Antônio Rodrigues Ferreira (1875) encomendou ao engenheiro pernambucano Adolfo Herbster uma planta topográfica para a cidade de Fortaleza, marco inicial da sua modernização, o qual, entre muitos benefícios, dotou a cidade de três bulevares, que são as atuais Avenidas D. Manuel, Imperador e Duque de Caxias, cujo traçado favoreceu a circulação das pessoas e produtos, também viabilizando medidas de segurança, por facilitar a fluxo de policiais.
Este processo urbano voltado para o crescimento e prestígio das áreas desgastadas e também dirigido para a melhoria da segurança, decorrente das idéias “haussmannianas”, que, tecnicamente, existe há dois séculos e que serviu de escola para as cidades em desenvolvimento, principalmente brasileiras, também foi e é muito cantado em verso e prosa pelos poetas, sugerindo uma reparação, quando afirmam que “...quando derem vez ao morro toda cidade vai cantar, vai cantar...”, (Tom Jobim e Vinicius de Moraes), enquanto outros dizem “...vivia no mundo a sonhar com cousas que o morro não tem...” (Jair Amorim e Dunga), cujos motes há muito sugerem uma sinfonia urbana inadiável, antes que a criminalidade se instale irreversivelmente e a polícia tenha que depor suas armas e negociar com os chefes do crime, por não saber reverter o quadro. Se o morro ainda está assim, não é assim que deve ser visto, mas, como mirante para as oportunidades. O morro, como acidente geográfico que é, tem visão privilegiada por Deus e para ser visto por quem saiba enxergar longe. As Vias Expressas poderão declarar que o morro também não será mais um beco sem saída, pois haverá via de mão dupla, Lato sensu, por conseqüência, influenciando também o tecido social como um todo. Toda dificuldade é o próprio carburante da solução. Isto posto, qualquer que seja a estrofe e o concerto, pensar mais no crescimento urbano integrado é também priorizar a segurança e a humanização das cidades, uma vez que o centro dos acontecimentos urbanos de algumas urbes deixará de ser sitiado por impenetráveis territórios ou cidades satélites do crime, que vão se aglomerando desordenadamente, constituindo um crescente e perigoso “coeficiente de pressão” contra a população e o Estado, cujas regiões, antes chamadas de periferia, hoje, perímetro do crime, onde, até a polícia, de muitas se afasta, enquanto isto, o crime se instala na prática e na consciência de muitos como um fato de rotina e sem censura, e até como sobrevivência de alguns, tudo, pela negligência pública crônica.

Manoel Damasceno

Atualizações em julho de 2007.
www.brasilseguranca.com.br





[Volta a Principal]

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

clique aqui!
by Banner-Link

clique aqui!
by Banner-Link

clique aqui!
by Banner-Link

 

Copyright© - Brasil Segurança. Todos os direitos reservados.
Hospedado na
Oceano Digital